class main AboutMe { exec(); }
Lá vou eu falar mais uma vez com um super atraso cinematográfico do filme do ano (pelo menos até agora): Slumdog Millionnaire. Como não sou dado das idas aos cinemas em solitário, tive de aguardar até encontrar o par perfeito (sim, não se pode ir ver qualquer filme com qualquer pessoa - hum.... Apesar de ter sido algo combinado completamente não premeditado).
Regressando ao tema deste post. Garanto que Slumdog Millionaire é mesmo daqueles filmes que saímos do cinema a pensar nas imagens fantásticas, numa banda sonora lindíssima e claro deixando a mente a trabalhar durante alguns dias...
Slumdog Millionnaire é mais do que um filme sobre Índia, alias, pelo que entendi a questão nem é retratar o mesmo. É antes de tudo uma história de Amor, daqueles amores com a letra grande. Talvez já me venham lixar a cabeça a dizer que não é nada um filme de amor! Tejam mazeh calados, aquilo é um filme de Amor! Mas é lindamente disfarçado com inteligência, subtileza e grande mestria do Sensei Danny Boyle. Tudo é lindo neste filme, desde dos actores, música, efeitos sonoros, realização, montagem, planos, música (oups, este já disse), personagens, frases, enfim tudo o que um filme pode ter de bom, o Slumdog tem!



Continuo a achar que ver um filme que limpou os Óscares sem saber nada sobre o filme é uma experiência única.
Anyway agradeço desde já à S. pela companhia (a tal cozinheira que já falei aqui), que me fez o prazer em aturar-me durante duas curtas horas do magnifico Slumdog (Thanks :P)

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 25/02/09 21:16

Um grande riso, essa foi a minha reacção quando achei por bem Transitar para a factura electrónica da TvCabo, aie Zon (é pá, isso são mudanças de nomes difíceis de digerir). Ok, o processo de criação de conta foi pacífico, tudo limpinho, dados bla bla, blu blu e pif paf, num site restrito da Zon tudo em Ajax, com desenhos bens feitos, um site bem giraço por sinal. Depois desta primeira impressão, lá tive de completar os formulários com os dados pessoais.
E no meio das habilitações, gostos e tretas do género vem uma parte muito gira que diz: Clube Desportivo Preferido. Eu até tive de ler duas vezes para ter a certeza que estávamos a falar do mesmo. E não é que é mesmo verdade! Então os gajos querem saber qual é a merda do meu clube. Azar meu amigos, vocês tem como um cliente um agnóstico do Deus da bola, um herege urbano, um ermita do Benfiquista, e mais ainda! Nem pretendo mudar! Mas já agora, que raio de diferença faz saber que sou do Setúbal, Benfica ou Belenenses... Vade retro satanas! buuuu







Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 25/02/09 20:38

Hoje vou fazer uma coisa muito engraçada. Decidi fazer um teste à liberdade de expressão em Portugal. Atenção, 3, 2, 1 aqui vai a imagem criminosa:

Magalhães em apuros no carnaval de Torres Vedras

Gosto tanto de me sentir num país livre, daqueles que um gajo sente-se livre em poder fazer humor com pessoas, religião, política, er... Política não. Mas o resto podem. Vá, podia ser pior. Com sorte é desta que me vão mandar fechar o tacho (finalmente a largura de banda no servidor vai respirar).

Para os cheios de sono: Notícia aqui, e mais aqui.
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 19/02/09 21:01

Eu - "Vamos jantar?"
Ela - "Sim, onde é que vamos?"
Eu - "Tenho carne a descongelar. Queres cozinhar para mim hoje? (risos)"
Ela - "Ok, vamos la!"
Eu - [Com cara de espanto]... (risos)

E não é que "ela" se safou muito bem? Não só é inteligente, veste-se bem, tem bom gosto, curte as minhas músicas que tenho no meu carro (mas prefere as músicas dela :P também não era difícil, confesso que ouvir Nine Sister da OST do filme Avalon é no mínimo estranho), e ainda por cima cozinha bem! (Ah, e é gira, charmosa, tem um sorriso lindo...)
Não, não estou apaixonado! Apenas gosto de estar com ela... E de eu para mim, até acho que tenho a impressão que talvez, remotamente, algures e possivelmente ela também gosta de estar comigo...



Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 15/02/09 23:00


Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 15/02/09 03:11

Desde do dia 1 de Janeiro 1970 (UTC) os programadores da época criaram uma forma de contar a hora através dos segundos. Este método ainda é válido hoje em dia, e é amplamente usado por exemplo em programação web. A ideia é simples, contar cada segundo passado desde desta data. Trata-se de um relógio incremental, onde cada segundo é único e pode ser identificado num momento do tempo.
Curiosamente, amanha este número vai atingir um número interessante: 1234567890. Ultimamente, este número tem sido falado em vários lugares, e muitas pessoas fazem questão de celebrar esta data. Existem vários sítios na web que fazem o countdown como por exemplo o 1234567890day.com, até existe uma conta do Twitter para o efeito.
Porquê tanta coisa a volta deste número? Simplesmente porque é um evento geek, estúpido claro, mas tenho de reconhecer, que até inventarem outro UnixTime onde os contadores poderão ser repostos à 0, este evento é único.
Por isso, para celebrar, decidi fazer um pequeno script em PHP que faz a conversão do UnixTime para hora HR (Human Readable). Para ver o código, clica aqui.



Ah, a parte gira da coisa, é que este dia é simplesmente amanha, Sexta-feira 13 de Fevereiro 2009, às 23h31 e 30 segundos.
Se alguém se recordar desta hora, poderá considerar-se como um verdadeiro geek, e passar os restantes dias da sua vida a contemplar o relógio quando este chegar às 13:37 da tarde.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 12/02/09 19:09

E nem de propósito...

 
"Heart In A Cage"

Well I don't feel better
When I'm fucking around
And I don't write better
When I'm stuck in the ground
So don't teach me a lesson
Cause I've already learned
Yeah the sun will be shining
And my children will burn

Oh the heart beats in its cage

I don't want what you want
I don't feel what you feel
See I'm stuck in a city
But I belong in a field

Yeah we got left, left, left, left, left, left, left

Now it's three in the morning and you're eating alone

Oh the heart beats in its cage

All our friends, they're laughing at us
All of those you loved you mistrust
Help me I'm just not quite myself
Look around there's no one else left
I went to the concert and I fought through the crowd
Guess I got too excited when I thought you were around

Oh he gets left, left, left, left, left, left, left

I'm sorry you were thinking; I would steal your fire.
The heart beats in its cage
Yes the heart beats in its cage
Alright

And the heart beats in its cage




E como é hábito, aqui vai a música do The Strokes.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 09/02/09 22:22

Porque há segredos e segredos. Porque existem verdades que não tem impacto sobre as nossas vidas, e outras que nos tocam na alma. Todo o nosso Ser é o espelho do nosso passado, somos o que fomos e seremos o que somos. Revelar um segredo da construção do nosso Ser pode ser um acto de desabafo para a pessoa que conta, mas é antes de mais nada uma profunda prova de confiança. Confiança esta que, pela responsabilidade e pelos sentimentos envolventes trazem nesta relação um elo ainda forte. Não, nada mudou, apenas ficou mais profundo, justo e claro.
Não me apetece dizer-te mais nada a não ser Obrigado.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 06/02/09 01:55

... a ter uma nova fonte de inspiração para este lugar! Sim, hoje inscrevi-me num Health Club todo racing. Por isso, podem contar com textos musculados e fúteis. Mas estou mesmo a precisar de exercício, coisas pesadas tais como Jacuzzi, banho turco e relaxar no sauna. Isso é que vai ser! Novidades novas brevemente!
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 06/02/09 01:19

Aviso aos meninos do Linux, anda por aí um super virus / spyware / trojan que trama tudo. Mas felizmente, descobri um super site online que permite fazer scan's online do meu sweetCandy Linux.
E como sou amigo, aqui vai a screenshot da minha fantástica descoberta:


(clica na imagem para ver em tamanho real)

O problema agora é descobrir onde está o meu disco disco C e disco D. Mas tenho confiança em descobrir isso rapidamente... Se não conseguir peço a minha amiga Nestum PhD (Twitt' joke), ela há de saber.

Mais à sério, será que alguém com dedos de testa caí numa armadilha destas? Não é por nada, mas isso é obviamente duvidoso. Alguém com o Windows, não pode ter apenas tem 362 trojans no disco C. Vá meninos, pá próxima apontem para números mais realistas.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 06/02/09 01:00

Oh Malato! Oh moço, não precisas de ficar lixado comigo. Eu até gosto do teu trabalho (sim... atrevo-me a dizer isso). Pareces ser um bom-vivant. Daqueles gajos que se tivesse uma bigodassa, peito aberto e uma bela cruz em ouro e eras o xibante da aldeia. Mas como até és um gajo fixe, tás na RTP. Vá, podia ser pior. Podias estar na TVI.
Voltando ao programa Jogo Duplo, creio que já dá na RTP há algum tempo. Hoje, pela primeira vez vi o Jogo Duplo (ok, os primeiro 15 minutos), e agora estou a ouvir o resto do programa enquanto escrevo este texto. Juro-te Malato, tu vales mais do que isso! Um programa como o Jogo Duplo, é uma treta! Uma mentira! Então não é que gajos andam a mentir ao longo do programa. Eles tentam enganar-te desde do principio até ao fim! Parecem os ciganos do Domingo no mercado da Encarnação. Todos vendem a mesma contrafação, mas cada um garante que é melhor que o vizinho. (olha o Cláudio que estava em último lugar acabou de ganhar...)
Falo, falo, mas tenho que reconhecer que o lado do positivo do programa é que pela primeira vez na história da TV, o gajo que ganha não é o mais inteligente ou o mais culto - o que é revolucionário num programa de perguntas/respostas!
Quem ganha, é o gajo que conseguir **bluffar** ao máximo os outros concorrentes. Finalmente um programa tipicamente Português, onde quem ganha é quem enganar melhor os outros! Vá Malato, já chega...
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 04/02/09 22:58


Imagem tirada co w1k, no ambito do concurso Photoshop Starwars Ren2.
Já agora, só para terem ideia do trabalho do aards2 vejam a pintura original.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 04/02/09 01:15

Como já é sabido El-Rey Dom Google já disponibiliza as suas API (Application programming interface) já há algum tempo. É comum ver aplicações desta integração em sites nomeadamente com o Google Maps. Na realidade existem muitas outras facetas desta API que são igualmente fáceis de integrar com páginas em server-side (ex. PHP, ASP, JSP, Ruby etc..).
Há relativamente pouco tempo, El- Rey, monarca absoluto das terras cibernéticas, lavrou meia dúzia de servidores e gajos competentes e disponibilizou o Ajax API Playground. O Playground, é um lugar mágico, onde qualquer programador encontra exemplos das API del Rey num só sítio, onde não só é possível classifica-las, seleccioná-las como também editar o código e ver o resultado em simultâneo.

Digo que, garantidamente, era uma funcionalidade que fazia imensa falta, devido a imensidão das possibilidades destas API. Eu próprio já andei a brincar com isto, brevemente irei colocar um pequeno exemplo de como usar o PHP e MySQL para gerar código JavaScript integrando assim com esta API.

No entanto, fiquei um pouco pensativo. Porquê que o Google faz isso? Toda a gente sabe que o negócio do Google não é ser um motor de pesquisa, mas sim o grande negócio do Google é a Publicidade. É isso que dá dinheiro! Então porquê disponibilizar ferramentas de aplicação para o comum dos mortais, criar recursos em servidores, dar o fruto do trabalhos dos seus funcionários? Onde é que eles querem chegar com isso?

Já se falou por aqui do GoogleOS, eventualmente baseado em Linux, que tivesse todas as aplicações do Google já integradas (veja o exemplo do gOS – que não é do Google) . Paralelamente a isto, temos o browser do Google: o Chrome (ainda não aconselhável as almas sensíveis) que acabam por ser aplicações do lado do cliente. Mas também temos imensas aplicações web. Todas elas nos leva a acreditar que o conceito do El-Rey é mesmo albergar todos os recursos dos seus vassais através da disponibilização de serviços com uma qualidade acima da média. Gmail, Google Pages, Picasssa web Album, Google Docs, Blogspot, Youtube, Google Maps, Google Groups e todos os outros serviços gratuitos do Google. As bases de dados do Google, já devem conter a maior parte dos dados do mundo cibernético, preferências de busca, gostos, densidade populacional de certas áreas entre centenas de outras coisas que me escapam. Isso é uma mais valia para uma empresa cujo core bussiness é sem dúvida a publicidade.

O Playground, é mais uma forma de simplificar a oferta de um produto gratuito do Google. Ao meu ver, a ideia conceptual do Google OS passa sem dúvida pela disponibilização das aplicações, tal como um sistema operativo faz com as suas bibliotecas (as tão famosas DLL do windows por exemplo). Estamos, perante, o inicio de uma nova forma de programar: a Linguagem Google, que pouco à pouco irá levar ao Google OS. Aí, deixa de ser um sistema operativo tal como o conhecemos, mas um conjunto de aplicações remotas e internas que irão gerir não só a navegação na Internet como também a parte física (hardware) consoante os gostos e os desejos do utilizador.

Regressando à analogia do Rei, vassais e Google, podemos dizer que agora, para cavar a terra (que já era do El-Rey), usas a enchada que agora também pode ser El-Rey Google. Não sei se ela é melhor, mas que é mais prática, isso é!

Hiperligação: http://code.google.com/apis/ajax/playground/
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 02/02/09 22:25

O paradigma do designer e do programador é semelhante ao do arquitecto e do engenheiro civil. Encontrar um consenso é por vezes uma tarefa impossível. Mas como já estou farto de dizer: tudo é possível com a informática.

Para exemplificar, disponibilizei uma parte de código que fiz recentemente que permite criar dinamicamente imagens com textos do tipo True Type Font (.ttf). Até agora, muita gente cria as imagens em primeiro num programa de desenho (ex. Photoshop) para depois inserir as imagens no site. Com esta técnica, o texto, as imagens, fontes, tamanhos e tudo o que compõe a imagem pode ser feito em tempo real através de uma base de dados.
Mas quero desde já acalmar os programadores, o designer será sempre preciso para criar as imagens de fundo :-P

Para os leitores que seguem este site via RSS, o melhor é mesmo clicar aqui | página do projecto.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/09 23:16

Nunca gostei muito dos sites sociais. Por mero acaso tenho uma conta no Hi5 desde de 2004, que vou actualizando apenas com os meus amigos. Bonito como sou, já devem imaginar estou fartinho de recusar pedidos de amizade de desconhecidas. No entanto, hoje perdi a cabeça e entrei no Facebook. A treta é exactamente a mesma, só o cheiro é que muda.
Verifiquei algo que já se falava há imenso tempo: Portugal inteiro está no hi5, o resto do mundo anda no Facebook. E é bem verdade, de todos os meus amigos fora deste universo luso, todos tem um perfil no Facebook. Mas a melhor coisa do Facebook, não é por ter muito mais gente, mas sim por ter : PHP! Adorei ver as extensões .PHP em quase todas as páginas, cheio de Ajax e coisinhas bonitinhas tudo muito rapidamente. O uploader das fotos é feito em Java e funciona realmente muito bem, enviei 3 dezenas de fotos rapidamente e sem me chatear.
O pior do Facebook são os amigos que já não via há anos... Como o Guillaume, um grande maluco, sedutor das damas que nunca falhava nenhuma festa. Ainda não me recompus do choque que foi vê-lo casado com dois filhos! Ou o caso da Julie que era nem mais menos do que a miúda que gostava tanto no colégio, que está completamente diferente, do Brice que era Dj das nossas festas (e de outras discos) já com um bebé ao colo...

Vou me mandar do 8º andar, já volto...

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/09 16:42

Tenho andando numa confusão danada. Entre os 23 textos que tenho para publicar, não posso dizer que estou em falta de criatividade, no entanto sinto uma falta brutal de inspiração. Custa-me entrar no meu painel de administração e escrever uma treta qualquer.
Poderia falar da minha noite de ontem, do meu dia de hoje, do que estou a fazer agora, do que penso fazer amanha. Até tem interesse e tinha audiências, mas parece que não sou capaz de alinhar palavras de forma a tornar as coisas interessantes...
Eh doc, será que sofro de alguma crise de Dominguisse?

Anyway, hoje entramos em Fevereiro, já falta pouco para o sol, praias e gajas boas do verão! Vá la, só mais 5 meses!

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/09 16:18

  ÚLTIMO MÊS: Agosto 2011

  Sobre.Pessoas.pt (21/08/11)
  Pensamento.dia.em.pleno.Agosto.pt (18/08/11)
  E foi assim que... (18/08/11)
  Julho.em.Imagens.2011 (18/08/11)

  TEXTOS EM ALTA!

  iPhone5 - my predictions.com (07/03/11)
  parvo.que.sou.pt (22/02/11)
  2G,3G,4G e agora 5G! (08/02/11)
  Novo.Projecto:Pedra-alta.com (01/02/11)
  website.updates-status-v1.pt (30/01/11)



FOTOGRAFIA ALEATÓRIA: Agricultor Cubano

Agricultor Cubano

Ruben... Quem sou? Nascido em Novembro de 1980, Sagitáriano puro e duro com ascendente Aquário. Sou canhoto, adoro arte, computadores, fotografia, redes, programação, design, música. Odeio futebol, bacalhau e injustiça.

Neste momento sou um Jovem de 30 anos, curioso pela vida, curioso por tudo o que mexe, tudo que respira, que faça ruídos. Encanto-me facilmente com uma gota de água a bater no vidro mas não fico impressionado com um Ferrari. Gosto das coisas simples da vida, um olhar, um sorriso, um simples gesto. Adoro amar, como gosto de ser amado. Não troco o meu leitor DVD por uma PlayStation, no entanto trocaria um filme por uma bela fotografia.

Não sou complexo, apenas perplexo... tudo depende do ponto de vista.

[...] Farto de escrever... | pausa II

~~~


No meio de tudo isto, tenho este lugar cibernético. Um recanto pontualmente actualizado, apontado como um blog, mantenho a minha ideia que antes de ter esta pretensão, considero que é antes de mais nada um simples sítio web onde escrevo, descrevo, apresento, coloco perguntas, dúvidas e afirmações. Com os textos, coabitem vários espaços representativos do meu Espaço.

Talvez seja o lugar mais sensato para me conhecer... Ou pelo menos, iniciar-se nesta longa viagem que é o meu Ser...
[...] Farto de escrever..| stop .

Correio.electrónico:
mail AT ruben-alves PONTO com

Telefone:
919.181.***

A minha Página no Twitter.


creative commons