class main AboutMe { exec(); }
Nas minhas fantásticas noitadas, acontece um pouco de tudo... Hoje foi uma revelação, nas feeds do planetgeek (que já falei aqui...) aconteceu algo que foi para mim uma revelação! Então não é que um dos rapazes que contribuí para o blog decidiu entrar em Greve! Estou a fazer disso uma piada, mas nem sei qual é o assunto, até pode ser gravissimo! Sabe-se la! Mas já que ele levou a público o seu estado de greve, acabo por perguntar-me a mim próprio mas que raio de greve pode-se fazer? É que sair, sem sair e dizer que se faz greve é a mesma treta que sair. Pelo menos, fez barulho antes de sair! Sinceramente não conheço essa malta do TugaTrónica, só mesmo o cenourinha (assim ao de leve), mas francamente estar a lavar a roupa suja em público também é fatela. Homem que é homem tem duas formas de resolver os problemas:
  • na rua, à machão
  • na cama, à machão
Macho que é macho, resolve os problemas! Não os expõem! Greve de blog... essa é que é! Se fosse greve da fome, ou greve do sexo, greve do trabalho, é pa, há sempre quem saia prejudicado. Mas greve de blog... Era como se eu fizesse greve do meu site, porque não tenho 15% de visitas de pessoas com Linux hehehe. "Ok malta, ou toda a gente passa a usar Linux ou deixo de escrever. "
Olha, pelo menos este post fez-me rir. Acho que a malta do tugaTrónica não vai achar muita piada, mas afinal não estou a falar mal do site, ou do trabalho deles... Apenas de uma atitude um pouco deplorável com alguma falta de profissionalismo bloguista.
Malta, já sabem! Se fizerem parte de um site, forum, blog, hi5 e  quiserem intimidar os vossos amigos e reivindicar os vossos direitos,  seguem o caminho do nosso amigo Southafrikanse e façam greve! LOL

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 29/02/08 03:40

Os namoros são como o vinho...

"Depois de se provar o bom vinho, qualquer coisa que pica já não serve. Procuramos sempre a melhor colheita da melhor reserva... "

E viva o Alvarinho!
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 29/02/08 02:59

Meti-me na cabeça de fazer mais uma coisa demente, um projecto ainda muito novinho muito alfa beta gama tudo o que quiserem que acaba em "a", que tem principalmente a ver com redes sem fios (wifi - 802.11). Mas para isso precisei de instalar um servidor novo e tal. Para facilitar-me a vida depois na explicação com alguns tutoriais (hehehe), quis fazer isso numa Debian 4 rc3. Logo, instalei uma versão net install para poupar em CD virgens.
E qual é primeiro comando que se faz depois de se ter uma consola por baixo do teclado para ver se já há net? Nem mais nem menos que o mero e simples ifconfig. Que grande espanto quando vi que isso nem funcionava, la vou instalar pacotes tipo net-utils e afins, e mesmo assim continuava sem dar... E agora? Ao meu espanto, se fizesse /sbin/ifconfig  já dava, logo os caminhos estavam mal posto na instalação básica.
Por isso, fica desde já o aviso a quem tenha ou quer instalar uma debian em casa, a primeira coisa é verificar o PATH existente na máquina e adicionar o famoso /sbin no .bashrc do seu utilizador:

ruben@debian:~$ nano ~/.bashrc


 e no fim do ficheiro simplesmente adicionar:

export PATH=$PATH:/sbin

Fechar, e voltar a abrir uma consola, e pimba, já bufa finalmente :)




Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 29/02/08 02:45

"Dirty Girl"

I like a girl with a dirty mouth
Someone that i can believe
We had a window not open too long
But that time is good and gone

And if i ever see her again
Just walking by with some new guy
I know that we will need to pretend
And hope our eyes keep telling lies

Sit on the back porch and wonder 'bout her
What is she doing right now
Making somebody a happier man
Dying her hair back to brown

Once in a while your life gets so good
Worth all the trouble of the past
That was the case but i think i always knew
Good things don't ever last

And if i ever see her again
Just walking by with some new guy
I know that we will need to pretend
And hope our eyes keep telling lies

I like a girl with a dirty mouth
Know that i can trust her
We had our time but it didn't last too long
And that time is good and gone
That time is good and gone


Já andava há uns dias à procura de forma de poder expressar a forma como me sentia... Alias, era algo que me sufocava, não só pessoalmente mas como também profissionalmente... Estas ondas sentimentais só me fazem mal, mas o que posso fazer se tenho o coração na boca...

Como sempre, a música em download temporário. Desta vez, os Eels com Dirty Girl numa versão Live @ Town Hall.

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 28/02/08 21:42

A selecção dos genes no século XXI. Um assunto que pode ser visto como uma ideologia racista ou nazi se ficarmos pela primeira parte da mensagem. A verdade, é que este conceito existe, e é bem real. Let me explain it :)
Antes de mais, é interessante verificar algo de muito pertinente quando falamos de selecção dos genes, na medida em que se trata de uma selecção natural não consequente de uma doutrina, mas sim de valores socio-culturais. A ideia é simples, e surgiu-me de uma frase popular francesa que diz: “les chiens font pas des chats”. (Os cães não fazem gatos). Isso aplicado a ideia que os filhos são os que pais são. Como já disse inúmeras vezes, somos aquilo que os outros nos trazem. No entanto, para voltar a conversa, acontece que hoje em dia a escolha dos genes é feita por nós, com ou sem o consentimento dos nossos educadores. Escolhemos um parceiro “soit-disant” para a vida, a nossa medida, que consegue enquadrar-se na nossa maneira de pensar, ser, e principalmente viver num determinado espaço/tempo. Passando a primeira fase da paixão amorosa, surge ou não a segunda fase, que pode ou não ser criadora de de outros sentimentos, nomeadamente amor. Poderia também discutir, o conceito do amor, mas terá que ficar para uma próxima vez. Aqui o importante é realçar o facto que a paixão não faz parte da teoria dos genes até porque hoje em dia surge quando nem sequer conhecemos a pessoa ao vivo (penso aqui, nas convivências virtuais), ou quando mal conhecemos alguém. Alias a paixão é um sentimento curioso porque estabelece sentimentos sem grande envolvimento pessoal nem investimento. Fica esta última frase ao seu critério. A selecção dos genes é algo que é feita mais na idade adulta, em que, passado várias experiências da vida, aprendemos sobre as pessoas e sobre o tipo de pessoas. Acontece que ao ganharmos sabedoria, continuamos em não saber ao certo o que pretendemos, no entanto sabemos o que não queremos, e é aqui que surge a selecção natural dos genes. A busca e a respectiva selecção pelos genes que poderão constituir uma família, cachopos, acordar as 5 da manhã para mudar fraldas e entre muitos outros “prazeres” da vida.
Quando, finalmente prontos para este grande passo das nossas vidas, procuramos uma alma, não para namorar, mas sim para conjugar genes. Apesar de sabermos que o divórcio é algo de tão comum como filas de trânsito no IC19, acreditamos sempre não passará por nós, e que somos capazes de o evitar. Porque afinal, todos achamos que somos sempre mais espertos do que os outros. Deixo esta última frase a vossa consideração.
A selecção dos genes, é certa injusta, porque excluí imensa gente boa, carinhosa, simpática e amorosa. Mas a verdade, é que se não nos sentirmos capazes de nos ver num futuro médio/longo prazo com esta mente, o relacionamento acaba rapidamente (a não ser de sermos desesperados, com cabelos brancos entre outros detalhes. O relógio hormonal a fazer tic tac, tic tac é por vezes um obstáculo a selecção dos genes). A selecção dos genes, leva-nos a procurar e escolher pessoas como nós, quero com isso dizer, não interessa muito o signo astrológico ou a cor do cabelo, mas sim a existência do mesmo modelo socio-cultural e as vezes económico. Exemplo, não vejo muito bem uma princesa (daquelas a sério, não aquelas de séries televisivas) casar com um operador de máquinas industriais (aqui, o uso do verbo casar, engloba igualmente o conceito do ajuntamento de trapos). Lamento o exemplo, não tenho nada com os operadores de máquinas industriais, mas apenas trata-se de um exemplo, não colocando ninguém acima de outros. Apenas quero com isso dizer que às barreiras sociais sempre existiram e que foram construídas pela nossa sociedade, pelo nosso novo modo de vida. Um pouco ao estilo das castas na Índia, mas menos  pronunciado. Outro exemplo demonstrativo, um escritor/artista dificilmente irá encontrar o seu amor numa pessoa que não consegue entender o seu método de pensar reflectir, porque o seu equilíbrio não será respeitado ou poderá sentir-se incompleto. Repito, aquilo que somos é o reflexo daquilo que fomos. Logo, um médico tem uma série de conceitos e forma pensar diferente da senhora que trabalha numa caixa do pingo doce há 10 anos. Esta última, talvez, poderá encontrar a sua felicidade no operador de máquinas industriais. A verdade é que depois da cama, do sexo ardente e tórrido, as pessoas necessitam de comunicação, diálogo. O encontro espiritual tem de permanecer ao longo da nossa vida. Porque é isso que nos faz sentir realizado, é isso que mantém o bom equilíbrio na nossa vida... Sem comunicação, partilha de projectos, sentimentos e evolução mutua nada feito...
A selecção dos genes, é no fundo uma selecção cultural, natural, dirigida pela nossa mente, pela sociedade e principalmente pela nossa educação.
Talvez, não seja assim tão diferente, quando antigamente, os pais escolhiam o parecer do filho. Se formos a ver bem, a selecção dos pais organiza-se pelos mesmo métodos e princípios. O problema era quando esta escolha envolvia um terceiro elemento. Mas recordo que antigamente, o casamento era de facto visto como um meio de procriação e manutenção do estatuto do nome e das famílias, relegando para segundo plano a ideia do bom marido ou boa esposa.
A selecção dos genes, é sem dúvida uma escolha egoísta, reflexo da sociedade na qual vivemos. Devido ao diversificado mercado dos cromossomas, das meios de comunicação e transportes , leva-nos a procurar sempre o melhor exemplar para as nossas vidas. Algo que não acontecia quando o universo da escolha era limitado às 4 ou 5 aldeias vizinhas. Hoje podemos procurar de norte a sul, fora do país através dos continentes, em qualquer lugar podemos procurar...
Let's find it :)

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 26/02/08 14:19

Consultor.Junior.IT

No mercado há 29 dias, somos internacionalmente conhecidos na contratação de recursos humanos altamente especializados. A nossa empresa, líder do mercado das telecomunicações pretende contratar para efeito de estágio em part-time m/f .

Horário:

  • Turno 1 – 9h00 – 18h00
  • Turno 2 – 18h00 – 24h00
  • 7 Dias por semana (com folgas)
Oferece-se:
  • Integração em equipa jovem e dinâmica;
  • Plano de carreira profissional;
  • Excelente ambiente de trabalho;
  • Entrada para os quadros da empresa em Espanha ou Angola (Contrato sem termo);
  • Colocação em projecto em Lisboa, Espanha ou Angola;
  • Forte possibilidade de contratação directa no cliente;
Perfil:
  • Idade até 25 anos
  • Experiencial mínima de 5 anos em sistemas de Grande/Média Dimensão ( + de 20 Servidores)
  • Experiência profissional mínima de 5 ano;
  • Operar com sistemas informáticos
  • Conhecimentos de sistemas operativos Windows; Linux; Mac
  • Conhecimentos de Redes IP
  • Conhecimentos de XDSL
  • Conhecimentos de ATM
  • Conhecimentos de IPTV
  • Conhecimentos de MPLS
  • Conhecimentos da plataforma MS – IPTV
  • Programador experiente em PHP 4+5
  • Experiência em MySQL
  • Conhecimentos de sistemas de caching
  • Experiência de sistemas de templating
  • Conhecimentos de sistemas de bibliotecas PHP
  • Conhecimentos de sistemas de controlo de versões.
  • Conhecimentos de JavaScript.
  • Formação / Certificação Microsoft: MCSE / MCSA e CCNA (requisito preferencial).
  • Conhecimentos em Sistemas: Windows Server 2000/2003, SQL Server, Exchange Server; Active Directory e Backups
  • Conhecimentos de comunicações
  • Conhecimentos em Segurança: Cisco PIX Firewall
  • Experiência em desenvolvimento em .NET (ASPX,C# e VB.NET) 
  • Conhecimento em Base de Dados SQL Server 2000 e 2005
  • Capacidade de trabalho em equipa e elevado sentido de responsabilidade
  • Pró-actividade e sentido de responsabilidade são essenciais.
  • Capacidade de análise e boa comunicação com o cliente
  • 12º ano, ou curso técnico.
  • Damos preferência a profissionais com disponibilidade de deslocações.
  • Valorizamos o espírito empreendedor, o dinamismo, a capacidade de comunicação, motivação para trabalhar em equipa, facilidade de adaptação a novas situações em empresa dinâmica e integração em equipa jovem.
  • Bons conhecimentos de inglês, espanhol e francês (falado e escrito)


Já alguns terão reparado o absurdo deste anúncio, no entanto, não é assim tão desprovido de realidade. Tudo o que está escrito é bem real, apenas fiz copy/paste do já existente. "A-la Ruben Style" está ampliado 2,7X, no entanto é mesmo esta "nossa" realidade. O mercado é tão grande, tão especifico, que hoje em dia as empresas dão-se ao luxo de pedir tudo mais alguma coisa. E quando chegamos ao dia da entrevista ainda somos enfrentados com ainda mais critérios de selecção. Será que sou eu que não presto para nada que sei tão pouco que mais vale candidatar-me a uma caixa de Pingo Doce ou então são mesmo estas empresas com um sério problema? Só falta pagar em amendoins ou vales de compra do Jumbo (menos pior do que recibos verdes)...  Como é que querem encontrar um gajo com 25 anos, 5 anos de experiência profissional, com um currículo destes? Gajos destes existem, mas não tem 25 anos! O problema é que para pagar a um gajo destes equivale a 3 ou 4 salários de um rapaz novo. Sou bem capaz de me queimar as asas ao publicar este texto, mas fogo há mesmo coisas que não aceito...

 O que vale é que alguns são sérios e valem mesmo vestir a camisola, é com eles que quero estar!
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 21/02/08 18:58

Recentemente recebi o convite de José Carlos, responsável pelo site planetgeek.org, para pertencer ao grupo de membros deste site. O planetgeek é um agregador de blogs, no qual cada utilizador tem o seu próprio site, produzindo fluxos RSS (já falamos destas coisas aqui) que por sua vez são lidas pelo motor RSS do planetgeek, mostrando no site planetgeek as últimas entradas de cada um dos blogs dos utilizadores. Ou seja, em vez de ser como um blog que é apenas escrito por uma pessoa (ou duas...), um agregador de blog reúne vários sites segundo um determinado tema. Assim, para o utilizador final, em vez de visitar cada um dos blogs de forma individual, pode simplesmente visitar o site do agregador e estar a par das últimas inserções da comunidade.
Voltando ao inicio deste texto, agora que aceitei o convite do José Carlos, todos os meus textos passarão a ser divulgados não só no meu espaço, como também no site planetgeek.org e pelos fluxos RSS que ele produz. Como é de praxe, dou com imenso prazer e não num sentido forçado, os meus melhores cumprimentos a toda a comunidade planetgeek, aos seus escritores e leitores. Neste texto de apresentação, gostaria de juntar as duas partes da maçã. Por um lado o mundo planetgeek e por outro os leitores do meu site. Depois de já ter explicado o conceito de agregador aos meus leitores, gostaria explicar aos membros do planetgeek o quê que se faz por aqui. Ao contrário da maioria dos actuais membros,  meu site não é blog, é mesmo uma simples página pessoal na qual exponho textos, projectos, fotografias entre outras coisas. É um espaço no qual escrevo os meus sentimentos, pensamentos e reflexões através do meu nome e não de um pseudónimo. É um espaço sem limites, no qual essencialmente tento produzir conteúdo, as vezes com humor, outras não . Os meus principais temas de actuação são no ramo da Informática, ciência, tecnologia, política e assuntos mundanos. Quando digo que não é um blog, digo não por querer ser contra a moda, ou com o intuito de ser do contra, mas sim porque não o encaro como tal. Muitos dos meus textos são escritos offline, com alguns dias de antecedência. Os meus textos não dispõem de comentários (apenas é possível comentar na parte especifica dos comentários gerais), mas que talvez com o tempo venha a considerar a programação desta funcionalidade.
O meu recanto digital, é um projecto pessoal, produzido e construído por mim, para os meus amigos, leitores e agora para o leitores do planetgeek. Sejam bem-vindos!
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 19/02/08 23:12

Abriu recentemente um novo espaço em Alfragide o centro comercial Alegro, infelizmente tornado conhecido pelas acções da nossa amiga ASAE. É um espaço médio, longe da confusão dos Colombos e Vascos da Gama. It's a sweet little space, onde temos um pouco de tudo, sem o exagero das lojas do grupo Sonae (Wortens, Vobis etc..). E claro, tem uma coisa excelente, o estacionamento é gratuito (fogo!... ainda hei-de escrever sobre esta loucura dos parques a pagantes). Mas não estou aqui para fazer publicidade, não, hoje o tema é outro!
O que mais me marcou neste sítio, foi a proliferação do novo tipo de comida rápida. Todos conhecemos os pioneiros em Portugal, os Mc Donald's, Burger Kings, KFC's, Pizza Hut e afins. Sim, porque depois de mais de uma década de comida gordurosa, cheia de açucares e calorias, está na hora de virar a página com uma nova moda: a comida dietética. E com motivos mais que relevantes, visto sermos um povo de gorduchos, sedentários, sem grandes exercícios físicos. Mas graças ás novas tendências, podemos hoje ter uma vida muito mais saudável. Agora, podemos apreciar uma Quiche de espinafres acompanhada com molhe de iogurte, agua filtrada e higienizada, saladas de soja, patés de tufou e como sobremesa uma mousse de chocolate light. Mas que apetitoso! E para compensar o excesso de sedentarismo que tal um Health Club depois das 18 horas, cheio à pinha! E hop, 60 minutos de exercícios cardiovasculares (sim, porque musculação aumenta o peso) de forma a “tonificar” o corpo. Ah, já me ia esquecer, os fumadores podem esquecer querer morrer mais cedo, pois, agora com esta nova lei, nem fumar podemos! Mas que raio de vida saudável! Com isso, podemos ler práticas de como satisfazer uma mulher em 10 truques práticos, conselhos para dormir bem, e assim ter uma vida o mais saudável possível... Mas que bom, era o que meu avó precisava, e vais apenas fazer 88 anos esta semana....
Mas a malta acredita mesmo nestas coisas? Conselhos de revistas com fotografias de modelos na capa serve para quê? Hã? Como é que é? Oferecem-nos imagens para melhor vender cremes. O mais absurdo, é que há pessoas que em vez de beneficiar dos prazeres simples da vida, preocupam-se demasiado com o aspecto físico (ok, ok, é super importante, mas tudo tem limites meus caros).
E é aí que batem em cheio as super “vitaminas”, “lojas das Sopas”, “Vegans” e outros restaurantes que por assim de denominam. Aproveitam o belo conceito do engravatado apressado para chegar a horas às reuniões mas que precisa de comer. Ou as regimeiras (que tem 19 regimes ao longo de 12 meses) que se deslocam em manadas porque finalmente encontraram o seu tasco. Ai aie.... Mas que loucura. Vou ser sincero, e não tenho vergonha de assumir que já comi nestes locais. E é bem por isso que hoje escrevo. A comida nem é má, mas  rapidamente cheguei a conclusão que uma alface para ser vendida e ter sabor, tem de se por molhos. E é por isso que temos sempre vários molhos a escolha: Molho branco, molho maionese, ou molho cocktail. Por sinal, são todos molhinhos supra-baixos em calorias. Fogo, oh malta! Hello, vai tudo dar ao mesmo! As sopas tem batatas, os molhos são as piores coisas para se comer, misturas arroz/batata frita é do menos saudável que se possa fazer. Mas a mentira é mais bela, é tão reconfortante mentir-nos a pensar que comemos algo de saudável, ou imaginar que o somos. Mas que ideia tão falsa – que vida de plástico! Comer de vez em quando os super pratos dietéticos, só para variar, concordo, mas de la  em viciar-se, e levar uma vida obsequiado  pelas tretas do que se vende é que não! Caros amigos, a verdadeira comida que faz bem ao corpo é aquela que nos dá prazer, é aquela é que é recomendada pelo dietetista, é aquela que tem peixes, grelhados e coisas mesmo boas. E não a porcaria de 6,80€ que se vende por aí.
Sou grande apologista da vida saudável, mas é o saudável-saudável, e não o saudável porque está na moda. Sabe muito melhor comer o que queremos em proporções normais, tomar um café com açúcar, fumar um cigarro depois do almoço. E que bem que faz mamar uma cerveja entre Amigos a volta de uns camarões cozidos. Mas nada melhor do que um Alvarinho bem fresco com uma peixe ou marisco. O saudável está no nosso bem estar, nos pequenos prazeres, no bem que as pessoas e as coisas nos trazem. A felicidade também....



créditos foto

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 15/02/08 14:26

T'es ou Wendy? Wendy... wendy.... What's Wendy? Who is Wendy? Ontem a noite parti-me a rir com o comentário de uma pessoa que fez alusão a minha Wendy! Se a Bela tem o Monstro, se a princesa tem o seu príncipe, se Romeu tem Julieta, Eu tenho a Wendy!

Mistura entre cinematografia e romance, nas Bonecas Russas, a Wendy é ponto de estabilidade do Xavier, a tempestade num lago sereno, a alma que o desperta, o verdadeiro amor à porta de casa. O amor sem projectores, nem artifícios em grandes hotéis. A Wendy come croissants porque gosta de pequenos almoços “a la Française”, a Wendy gosta de escrever, ler  e entender.
É a simplicidade do complexo, gosta das imperfeições, bebe cerveja, não é linda, mas também não é nenhuma fatia de bacon, tem o seu charme, o seu charme...






 That's Wendy!
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 15/02/08 13:23

Desde que estou em Lisboa, tenho reparado na mediocridade do atendimento. Um atendimento limitado a sua circunstância, de tal forma que parece que é o cliente que faz o favor de ter este papel, limitado ao seu estado, o estado de mero cliente. As vezes, até pedimos desculpa por incomodar o empregado! Mas que treta é essa? Fogo, afinal quem é que paga quem? Parece que os empregados esquecem-se que quem paga o seu ordenado são os clientes. Sem  clientes, a casa não é nada! Além disso, recordo que quem faz o nome da casa são, mais uma vez os funcionários que la trabalham! Um cliente mal atendido são 10 clientes de perdidos. Caraças! Esta malta passa-se, esta inversão de papeis é simplesmente irreal. Não posso acreditar que em pouco tempo teremos que pedir por favor para ser atendido. Também não pretendo ser tratar como o Rei da Republica quando peço um café ou quando como um Big Mac, apenas quero ser tratado com simpatia, quero e pretendo ser tratado como um cliente e não como um chato que está ao balcão apenas para chatear o empregado.
Alguns de vocês, já vão dizer: “sim e tal, mas isso não é bem verdade”. Claro que não é regra absoluta, e ainda bem que o é! Trata-se sim de uma constatação do dia a dia. Quando estava no Porto, sabia os nomes quase todos dos empregados, podiam não ser todos bem educados e socializados, mas ao contrário do que acontece em Lisboa, eram realmente simpáticos!
Alias, a simpatia e honestidade é simplesmente o motor de cada casa. Estou a falar por exemplo de um restaurante, no qual os funcionários são simpáticos e alegres, automaticamente, vamos sentir estas boas vibrações e também nos vamos sentir bem. Sensações contagiosas como estas, também acontecem num ambiente frio, mas desta vez é o contrário que acontece.
Reparam bem como é mesmo verdade, por exemplo se o prato vier frio a mesa, se a carne for um pouco mais dura ou o bacalhau mal grelhado, tudo passa melhor se temos um empregado a falar humildemente  connosco, a tentar concertar o erro da casa, em ser o mais simpático possível, porque sabe que não se pode dar ao luxo de perder um cliente, a coisa passa bem, e somos capazes de voltar. Esta coisa não acontece em Lisboa, onde se a carne for dura, "olha paciência", pode ser que para a próxima seja melhor. Se o atendimento for mau, "olha azar...." Se esperamos demasiado para a comida, "olha a culpa é do cozinheiro..."  Fogo, e que tal aceitar que o cliente é mesmo um cliente, e que não faz o favor, nem é culpado de estar sentado!
Já falei aqui do livro de reclamação, quando disse que tem vindo a perder cada vez mais o seu valor, é mesmo verídico. Só é mesmo importante pedir este livrinho vermelho, quando há perigos para a segurança alimentar. Caso contrário, é tempo perdido. A ASAE não quer saber do fulano x ou y que não atendeu como deve de ser o cliente z. Quando é assim, fica a dica. Não vale a pena ser bem educado e deixar a coisa por aí ou pelo contrário fazer um escândalo (este último caso é realmente desnecessário) basta tentar resolver o problema logo com o responsável. Fazer barulho discretamente, relatar os factos, exigir pela qualidade, e se for preciso indicar pontos para remediar. Não devemos ser clientes passivos, clientes que comem e calam.
Pelo menos, recuso-me a sê-lo....
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 14/02/08 03:59

Heartbeats.... My godness...

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 14/02/08 01:39

Quando for grande quero ser surfista, está decidido! Ainda hoje a tarde, estive a observar o mar, no qual, a zona de rebentação estava salpicada de várias dezenas de surfistas. Todos eles a produzirem para o imaginário e inspiração de outra dezena de não surfistas, vestidos, sentados em esplanadas de cafés a observá-los.... Quando for grande, quero ser surfista...



Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 13/02/08 20:25

Bye bye, ou mesmo, recordando um antigo texto aqui escrito (por outros motivos) poderia-se dizer: Bang Bang, I shot you down! TVTEL já era... Passou a história! Depois da proposta de compra pela TVCABO de todas as operadoras de televisão por cabo em portugal (incluindo Pluricanal e Bragatel) apenas sobra a Cabovisão, que representa um bom potencial de mercado em toda a zona do oeste e a Artelecom na zona de Lisboa. No entanto, o quê que isto quer dizer sobre esta compra? Simplesmente, que a TVCABO que já era detentora da maior quota de mercado que as suas rivais todas juntas, irá passar a monopolizar o mercado! Isto só poderá acontecer se a AdC (autoridade da concorrência) autorizar esta compra. Caso contrário, acho que o cenário será um pouco feio para o cliente final. Por exemplo, caso um cliente esteja descontente do serviço TVCABO, só lhe sobra IPTV, disponibilizado pela CLIX e MEO! Nada más! Ou então, tem a seguinte solução: vive numa zona coberta pela Artelecom ou  na zona do Oeste e pode optar pela Cabovisão. Giro não é? E mais, se viver numa zona onde não tem acesso ao cabo e que não pode ter televisão por cabo, nem uma ligação Internet maior do que 512kbps (sim sim... ainda existe, principalmente se viver longe do comutador mais próximo) então só tem mesmo como escolha a TVCABO por satélite. A compra da TVTEL não é tão simples quanto parece, não é apenas uma tomada total de mercado. A TVTEL, era ainda há bem pouco tempo uma pequena empresa que apenas vendia serviço de cabo na cidade do Porto, hoje em dia já se deslocou para Lisboa, e tem serviços de Internet + Televisão + Telefone (triple play) a preços muitos competitivos. E claro, o super serviço que metia em grandes perigos a liderança da TVCABO no mercado da televisão por satélite, o pacote TV por satélite da TVTEL! Também há um serviço pouco falado, mas no entanto muito revelador da qualidade da TVTEL, é o serviço Internet por fibra óptica! Pois é enquanto os serviços cabo e ADSL lutam para chegar aos 30Mb, a TVTEL disponibiliza logo 60MB de largura de banda em fibra óptica por 50€! Não tenho a certeza, mas acho que são mesmo pioneiros no que diz respeito a venda do serviço fibra óptica para uso domestico.
A concorrência sempre foi benéfica, para os clientes (claro) e mesmo para empresas em que são obrigadas em melhorar o serviço e qualidade para permanecerem competitivas.
Sinceramente isso preocupa-me, quando vejo que o mercado está a ficar saturado pelo monopólio de duas grandes empresas (Sapo e Netcabo), o mais inquietante talvez é saber que pertencem ao mesmo grupo...

Para acabar, gostaria de realçar, que este texto corresponde a minha opinião e que não foi alvo de grandes pesquisas, apenas uma reacção sobre a eventual compra da TVCABO. Poderei ter dados que não sejam 100% correctos, não tenho como é obvio um conhecimento totalmente sobre o mercado das telecomunicações em Portugal. Por isso, ainda sobra a esperança de estar errado.

Algumas hiperligações sobre a proposta da compra:

http://tek.sapo.pt/4P0/803299.html
http://diarioeconomico.com/edicion/diarioeconomico/nacional/empresas/pt/desarrollo/1079027.html
http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=322970&visual=26
http://www.tsf.pt/online/economia/interior.asp?id_artigo=TSF187833


Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 13/02/08 20:10

Fogo! É impressionante como as vezes sentimos falta das pessoas...Não é só falta, é mesmo saudades...
Há dias, em que precisava mesmo de conseguir ser capaz de carregar no "Del" para esquecer...
Há dias, em que precisava mesmo de te abraçar,
Há dias, em que precisava mesmo de te ver pela última vez,
Há dias... Não dias sem ti...
Em vez disso, não há um dia em que não me recordo e penso em ti....

everybody hurts sometimes.... Shit

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 13/02/08 00:22

Depois do problema com o disco rígido do meu portátil à pouco mais de 10 meses (ASUS M6), foi a vez do portátil do meu irmão a deixar de funcionar. Nada de grave dizia ele, apenas não conseguia ver filmes, jogar, ou ver alguns sites web porque o computador desligava-se sozinho(HP dv1000). Após uma breve análise, reparei que a ventoinha do sistema tinha deixado de funcionar, logo quando o processador começava a trabalhar em frequências mais elevadas, automaticamente aquecia, e como não tinha arrefecimento, a própria segurança do computador desligava todo o sistema. Pelos visto é um cancro comum nestes modelos.
Depois de o desmontar totalmente, reparei que a ventoinha estava totalmente gripada, ainda telefonei a assistência HP, que passado 15 minutos em fila de espera,  simplesmente me responderam que já não tinham peças para este modelo de 2005. O problema é que não são ventoinhas convencionais de desktop, mas sim peças próprias que encaixam dentro do chassis do portátil.
Felizmente, um simples canivete Suíço desbloqueou o motor da hélice. Ao montar o conjunto tudo, bastou-me ter o cuidado de recordar a localização de cada parafuso. Apesar dos maus acabamentos, plásticos duvidosos, sistema de refrigeração suicida e claro uma assistência mais do que deplorável, consegui por o PC novamente em funcionamento. O meu irmão é que vai ficar feliz da vida, e como brinde, vai levar uma Linux Ubuntu 7.10 :P

Três conclusões a tirar desta experiência:
  • Cuidado com a aspiração dos portáteis, verificar por onde é feita a sucção do ar, se for por baixo, evitar de "trabalhar" na cama, ou em superfícies que não permitem a ventoinha aspirar o ar em condições.
  • A HP é de facto uma marca excelente, menos no que diz respeito a impressoras, portáteis, máquinas fotográficas,  projectores .... sobra pouca coisa, mas neste bocadinho de pouca coisa, até é prestável.
  • A super cola 3 sempre dá jeito...

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 12/02/08 20:11

Bang Bang!

Bang bang
I shot you down, bang bang
You hit the ground , bang bang
That awful sound, bang bang
I used to shoot you down



Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 06/02/08 20:52

Regras e mais regras... Estamos numa sociedade de regras, algumas sem nexo, outras nem nem por isso! O mais giro das regras, é que focaliza uma massa populacional para um determinado objectivo, concentra os nossos comportamentos de forma a que sejam todos idênticos, assim ninguém pisa os sapatos do vizinho. É de facto vital numa sociedade termos regras e implementar cada vez mais regras sobre tudo... É mesmo necessário! O mais interessante, é que nesta história das regras, é quando há alguém que não entende o sistema de comunicação destas mesmas regras (eu por exemplo!). Porque existem vários tipos de regras, existem várias formas de as comunicar. No outro dia por exemplo, estava na FNAC (aie... difícil de resistir), tinha ido revelar uma grande quantidade de fotografias (302 para ser exacto) e quando,  um dia voltava para casa, recordei que era o último dia para buscar as fotos (época de natal obriga...), por isso, tentei buscar as minhas fotos sabendo que não tinha o .... PAPEL! O famoso papel que dá o número do envelope, com o teu nome e tudo! Bem, la fui eu a aventura, na esperança que me caísse a sorte grande. Bem, caros leitores, nem imaginam a minha felicidade quando descubro que o Fnaqueiro de turno era o mesmo que me tinha atendido da última vez. Sem tardar, la fui eu com um ar convincente:

- Olá boa tarde, como está? Vinha buscar as minhas fotografias, recorda-se, aquelas 300. Até falamos das objectivas eyefish e tudo?

Já repararam a minha técnica? Primeiro, simpático, depois a pergunta como está (como se já o conhecesse há muito), depois coloco-lhe o meu objectivo e tento faze-lo recordar de mim, de forma a não me fazer muitas perguntas e assim não duvidar da minha autenticidade.
E Bingo, não é que o Fnaqueiro se recordava de tudo? Fiquei tão feliz, o problema é que não era ele que tratava da entrega das fotos, mas sim a responsável de turno a horrível e antipática Cruela DeVil! La tentei eu usar os meus poderes de Jedi Master, para convencer que fazia parte da equipa dos “good guys”, mas que não tinha nem o super Papel, e ainda por cima esqueci-me do meu BI em casa... Bem, tinha tudo ao meu favor, todas estas linhas para regressar ao início, sobre aquilo das regras (ainda se recordam?) quando ela me vem com uma lei:

- Mas o Senhor não está a querer perceber porquê? Já lhe disse, regras são regras, e disso nada posso fazer, sem o Papel, não há fotografias!

Escrito, talvez não seja tão arrogante como dito, mas a verdade, é que a arrogância da Cruela DeVil, virou-me as tripas do avesso. Porque apesar de serem  regras justas, o meu amigo Fnaqueiro (Pongo de nome), sabia que era eu, mas tinha medo da superior e por nem piou! Estava tramado, não só com a regra, que por sinal fazia sentido mas sim com a Cruela DeVil. Fiquei revoltado pelo abuso e falta de simpatia dela. Logo, não me desfiz e como bom quebrador de regras que sou, não me desmontei e contra-ataquei. Exemplifiquei, até que, no meio do meu terrível combate contra as forças do mal, consegui encontrar exemplos plausíveis. Mas Cruela é Cruel, nada quis saber! Ao chamar a responsável da loja (uma tipa nova, com uns trinta anos), falei com ela, super simpática e soubemos resolver o problema em 2 minutos. Agora pergunto eu... Porque que o raio da Cruela DeVil não me disse logo que tinha que falar com a responsável em vez de impor cegamente as regras? Será que tem assim tantos clientes que podem dar-se ao luxo de perder um membro do cartão Fnac com quase 10 anos? Não sei... A verdade é que levei a melhor simplesmente porque ela foi arrogante e eu fui quebra-regras. Agora, se tivesse sido simpática, talvez não teria procurado quebrar as leis. Este exemplo fez-me reflectir sobre o valor das normas, e claro a sua abrangência. Será que funciona assim para tudo? Será que ao bater o pé conseguimos quebrar as regras? Será que fiz bem ao fazer frente a arrogância de uma funcionária aspirante a gerente? Deveria ter ficado caladinho e comer a sopa até fim? Não sei, mas pelo menos fiquei com as fotos!

Pouco tempo depois, surgiu-me outra regra estranha... Mais uma vez na mesma Fnac (eles devem ter algo de combinado, só pode.... ) Resumindo, tinha acabado de decidir comprar o Tourist Trophy para PS2 (promoção -> 19,90€) com uma nota de 20€. Quando me dirijo as caixas para efectuar o pagamento e reparo que existem 3 caixas. Como toda a gente, vamos sempre para a caixa onde há menos gente. E durante o tempo de espera, estava a falar destas regras com o meu irmão, falei do exemplo anterior com a Cruela DeVil, e quando chegou a minha vez, desenhou-se a seguinte conversa:

- Olá boa tarde, tem cartão Fnac?
- Tenho sim, aqui está.
- Como vai pagar?
- Em dinheiro (como é que haveria de ser? Aceitas a troca por litros de leite, ou pele de carneiro? Pensei eu...)
- Ah, é que aqui é só para pagamentos Multibanco. Veja:

E mostra-me um suporte em PVC (daqueles em que se põem as ementas das esplanadas das tascas), com efectivamente a tal regra. Sinceramente, com a fila do início, mais a conversa com o meu irmão, aquela treta ficou no domínio do invisível. E mais, se fosse algo de comum acontecer nas Fnac, até poderia ter prestado mais atenção, ou se tivesse sido exposto como é usual em grandes superfícies (algo de grande, colocado no topo da caixa) talvez não teria ido por esta caixa, mas não, nem eu, nem o meu irmão vimos tal regra. Mais uma vez confrontado com a porcaria das regras, ou melhor, por estar fora do circuito de comunicação das regras, fiquei a espera 10 minutos para nada.. Não é por nada, até mas até estava disposto em dar-lhe os 10 cêntimos, só para não ter voltar a ficar 10 minutos na fila. A sério, das 3 caixas tive a infortuna ideia de me meter na fila errada! Até pensei, justifica-se mesmo uma caixa só para Multibancos? Mas muito educadamente, agradeci, disse-lhe que não sabia, e saí da fila... Comi a sopinha toda, e esperei mais 10 minutos para poder pagar...
Este exemplo, também me deixou pensativo, mas como já tinha armado a confusão há um mês atrás, não quis reproduzir a proeza e com muito civismo, deixei que um erro de comunicação da Fnac me estragasse o dia.

Mais uma vez, regresso as regras...Até que ponto. é que as regras são para ser desviadas? Ok, nem vou por em questão as leis da República (até porque aí entraria noutro debate), mas fogo! Ás vezes acredito que as pessoas abusam com regras, sinto-me obrigado em seguir o que não quero fazer só porque a regra obriga-me em fazê-lo. Não estou falar das regras que impeçam aos outros de serem livres, ou felizes, apenas leis e regras que supostamente simplificam a vida, mas que acabam por complicar tudo. Deve existir um sindicado dos criadores de regras, que tem um emprego para proteger no qual tem quotas de regras para inventar, criar ou copiar... só pode.
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 06/02/08 02:26

Hoje estava a pensar neste meu espaço, a forma com a qual ele vai e foi evoluindo, crescendo... Acredito que, tal como ele, eu também tenho vindo a crescer. Aprendi muito com este projecto, pelas leituras cruzadas, pelos comentários,  e opiniões de amigos que o atravessam. Ao longo de mais de dois anos, escrevi, descrevi e deixei que meros visitantes e grandes amigos pudessem saber mais sobre como sou. Uma parte da antiga versão já não existe on-line. Com a mudança de plataforma, muita coisa ficou para trás... Talvez assim fosse melhor...
Isto tudo para dizer que a evolução é de facto um processo constante nas pessoas, na vida e mesmo naquilo que fazemos. Projectos como este, são projectos vivos, nascem e enquanto serão mantidos vivos,  permanecem como fazendo parte do nosso universo, reflexos do que somos, fomos e talvez seremos... Hoje acordei a pensar na evolução, na forma como a vida dá as voltas. Pensei na forma como somos afectados pelo cruzamento de pessoas, como crescemos com elas e pela forma como somamos o nosso Ser com estas experiências. É de facto muito educativo a forma como tento aprender sobre as pessoas a forma como cresço com isso. Recentemente, tenho tido algum prazer em voltar a ler o que escrevo, não porque sou saudosista, mas sim porque me esqueço de certos momentos, tendo tendência para recordar apenas os bons momentos (memória mais emocional). Mas a verdade, é que ao longo dos tempos, tenho vindo a evoluir, pela forma como escrevo, do que escrevo. Fisicamente, até tenho mudado, ganho maturidade (pois é... já 27 anos), quando comecei este projecto tinha 24, ia fazer 25, e hoje vi uma fotografia minha desta altura, e decidi que teria que por outra hoje... O carnaval tem destas coisas, há pessoas que se mascaram, mas eu faço ao contrário, liberto-me e deixo como recordação a minha evolução, deixo para ser visto mais tarde,  a forma com era. Esta fotografia não é apenas um retrato físico, como também é o reflexo da forma como me sinto, como estou e como encaro a vida neste preciso momento... 



Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 05/02/08 21:24

As Aventuras da Princesa Sissi no mundo das pessoas crescidas.



É assim que a autora deste blog define o seu lugar, onde com toda a sua realeza, descreve o seu mundo, os seus problemas, aventuras e dúvidas. É de facto um lugar brilhante, no qual a autora fala sem pudor sobre a sua vida, sobre sexo. No fundo, relata o seu mundo através dos olhos da Princesa Sissi. Um lugar realmente interessante, pela postura, humor e escrita caricatural. Um Blog muito conhecido e merecido, através do qual já foram escritos dois Livros.


URL: http://cenasdegaja.blogs.sapo.pt/

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 03/02/08 18:58

Um pequeno texto para dizer Obrigado...
Para quem quiser ouvir ou recebê-los... Obrigado a quem achar que os merece...



Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 03/02/08 01:33

Mais c'est le Grand Asterix par Toutatis! Pois é! A Super Mega estrela francesa está de regresso! Ontem fui ver esta estreia no UCI do Corte Inglês, não sou crítico de cinema, mas tenho um site e um teclado, por isso aqui vai....
Um filme novo, polidinho, com efeitos especiais que parecem terem saído dos fornos da ILM (Starwars, Harry Potter, Iron Man, Titanic etc..). Está tão bem feito, que inconscientemente comecei a ler legendas.... (piada de segundo grau...)
Bem, falando a sério e rápido porque tenho uma pizza no forno. Astérix nos Jogos Olímpicos é um cocktail de grandes estrelas Gaulesas (e não falo so Obélix), como por  exemplo Alain Delon, Gérard Depardieu, Franck Dubosc, Benoît Poelvoorde (C'est Arrivé prés de chez vous), Elie Semoun entre muitos outros. Um filme tão baseado no passado cinematográfico das suas estrelas que se esquece de ter piada. Ao contrário do Alain Chabat, Frederic Forestier não primou pela inteligência das piadas, mas sim limitou-se materializar farsas e cenas de circo em redor do herói gaulês. O filme até poderia chamar-se "Astérix no Circo", que ninguém dava fê.

Neste filme falta um pouco de tudo, desde da presença do Astérix, a falta de diálogos cómicos,  a ausência total de alma Astérixiana ao longo do filme. Até se esqueceram de pôr os piratas! Como é que se esqueceram deles? Mas como é que isso aconteceu? Os piratas são para o Astérix, como os atacadores são para os sapatos! Sem eles, caímos!  Bolas, é o primeiro filme Francês com estreia comum em mais de 5000 salas em toda a Europa, um orçamento de 78 milhões de euros, e esqueceram-se de serem cómicos? Hello!! Estamos a falar "do" filme depois do Astérix Missão Cleópatra, as pessoas estavam a espera de algo pelo menos ao mesmo nível! Não, um filme burlesco, com piadas calculadas, um cenário bonito certo, mas que parecem ter sido filmado no Parque Astérix. Os actores como Clovis Cornillac (Astérix), Gérard Depardieu (Obélix) e o pior deles todos o Stéphane Rousseau (Apaixonadix) são totalmente esmagados e transparentes pela presença em cena de Brutus ou Cesar. O filme é tão medíocre que até o fim (que deve ser um dos pontos altos do filme) o grande jantar gaulês parece mais uma festa VIP parisiense com Zidane, Adriana Karambeu, Jamel Debouze (Numerobis). Esqueceram-se da famosa fogueira, o chefão da aldeia, dos javalis ... Enfim, um filme para vender... O que vale é que tenho o cartão estudante... Vá la, menos pior.




Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 02/02/08 14:57

Os mais frequentes leitores, deverão ter reparado no meu texto sobre o o DoMelhor.net (dM para os amigos :P), a verdade é que escrevi o texto uma semana antes de do meter no site, porque antes de o publicar, estive a falar com o autor do site (Paulo Querido), visto desejar que o meu texto não fosse considerado como uma ofensa ao trabalho do mesmo, mas sim como o meu ponto de vista sobre o site.
Após algumas trocas de e-mail, tive a aprovação dele: "Acho-a pertinente e não me sinto de forma alguma ofendido", decidi levar o artigo para frente, sabendo que o Paulo Querido iria responder, dando-me o ponto de vista dele posteriormente.
Dito e feito, dia 29 de Janeiro, escrevia no seu blog (Certamente que sim!) a minha resposta.Fico-lhe deste já agradecido pelo "trabalho" da sua resposta, fiquei, como devem imaginar bastante agradado por ler a outra face da questão.
Para os mais curiosos, aqui está a resposta do Paulo Querido.
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/08 18:15

Há dias, estava a investigar sobre um assunto creio ele relacionado com aquele texto sobre a minha constatação nocturna, quando deparei-me com um artigo cientifico bastante perturbador. Confesso, que não o li todo, mas a minha leitura descreveu um Z bem focado. Mas afinal perguntarão os meus leitores mais curiosos, mas de que raio de artigo se trata? Simplesmente a forma mais natural de casadebanhar! Não estou a brincar, alguém se deu ao trabalho de redigir um texto sobre a melhor forma de se sentar na casa de banho! O mais giro, é que eles próprios começam o texto deles com este aviso:

You may find this information incredible - but read on. It may begin to make sense once you get used to the idea.

Não é por nada, mas mesmo acabando o meu Z, ainda não consegui achar qual era a ideia desta treta... Talvez esteja a ser demasiado céptico, pensei eu! Mas não, rapidamente descobri que este artigo cientificamente escrito (com gráficos, percentagens e tudo aquilo que é preciso para convencer) estava directamente ligado a um site de uma empresa que fabrica “cadeiras” especializadas, para evitar doenças muito perigosas, das quais nos devemos afastar para sermos o mais saudável possível... Mas o mais melhor do bom, foi mesmo depois de ver o equipamento em questão. Parece aquelas cadeiras da escola, com alguma ferragem  pintada a branco para suportar o peso. Até comentários de Doutores, profissionais, mais desenhos técnicos, tudo a explicar o inexplicável do ridículo. Tantos artigos, tantos números para esta treta? Nasce a pergunta: será que há pessoas que acreditam mesmo nestas coisas? Será possível alguém dar entre 139$ até 158$ para o modelo de luxo para defecar melhor?
Eu não, mas pelo menos, pagou-me uma valente crise de risos e gargalhadas!

Há, é verdade, não se esqueçam de ler a melhor parte: Feedback froms readers!

Página do conceituado artigo: http://www.relfe.com/toilet_seat_constipation.html
deixo-vos descobrir o sítio da empresa que comercializa o dito cujo :P
Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/08 18:05

Uma série televisiva que me deixa umas saudades....



Já agora, um link para a "minha" versão: aqui

E outra, que ainda me fascina :)


Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/08 17:48

E Ninguém repara nestes gajos? Os Klaxons só iniciaram a sua actividade em 2005 e já ganharam um prémio Mercuri, o segundo albúm deles "Myths Of The Near Future" já consta do top 50 britânico e ninguém fala destes gajos em Portugal? Com um estilo próprio Pop/Indie/Psicadelic, a música é simplesmente única e brutal. Aconselho vivamente!

Como sempre, um pequeno exemplo da música deles, aqui: Two Receivers

Sem comentário, seja o primeiro! | Publicado por Ruben Alves @ 01/02/08 00:45

  ÚLTIMO MÊS: Agosto 2011

  Sobre.Pessoas.pt (21/08/11)
  Pensamento.dia.em.pleno.Agosto.pt (18/08/11)
  E foi assim que... (18/08/11)
  Julho.em.Imagens.2011 (18/08/11)

  TEXTOS EM ALTA!

  iPhone5 - my predictions.com (07/03/11)
  parvo.que.sou.pt (22/02/11)
  2G,3G,4G e agora 5G! (08/02/11)
  Novo.Projecto:Pedra-alta.com (01/02/11)
  website.updates-status-v1.pt (30/01/11)



FOTOGRAFIA ALEATÓRIA: Drops of a new dawn

Drops of a new dawn

Ruben... Quem sou? Nascido em Novembro de 1980, Sagitáriano puro e duro com ascendente Aquário. Sou canhoto, adoro arte, computadores, fotografia, redes, programação, design, música. Odeio futebol, bacalhau e injustiça.

Neste momento sou um Jovem de 30 anos, curioso pela vida, curioso por tudo o que mexe, tudo que respira, que faça ruídos. Encanto-me facilmente com uma gota de água a bater no vidro mas não fico impressionado com um Ferrari. Gosto das coisas simples da vida, um olhar, um sorriso, um simples gesto. Adoro amar, como gosto de ser amado. Não troco o meu leitor DVD por uma PlayStation, no entanto trocaria um filme por uma bela fotografia.

Não sou complexo, apenas perplexo... tudo depende do ponto de vista.

[...] Farto de escrever... | pausa II

~~~


No meio de tudo isto, tenho este lugar cibernético. Um recanto pontualmente actualizado, apontado como um blog, mantenho a minha ideia que antes de ter esta pretensão, considero que é antes de mais nada um simples sítio web onde escrevo, descrevo, apresento, coloco perguntas, dúvidas e afirmações. Com os textos, coabitem vários espaços representativos do meu Espaço.

Talvez seja o lugar mais sensato para me conhecer... Ou pelo menos, iniciar-se nesta longa viagem que é o meu Ser...
[...] Farto de escrever..| stop .

Correio.electrónico:
mail AT ruben-alves PONTO com

Telefone:
919.181.***

A minha Página no Twitter.


creative commons